Análise do Óleo

0 Comments

O óleo lubrificante ideal para a sua produção. Os seus benefícios e a necessidade de manter o seu equipamento em funcionamento a todo o momento exigem um acompanhamento constante do seu estado. Várias metodologias-chave foram desenvolvidas para este fim. Dir-lhe-emos o que são, quais são as suas características básicas e porque são essenciais para uma planta verdadeiramente inteligente.

O que é a análise de lubrificantes industriais?

A análise de lubrificantes industriais é um conjunto de técnicas e actividades realizadas para analisar o desgaste interno do equipamento, bem como o desempenho do próprio óleo, através da análise das suas propriedades.

Ou seja, por um lado, podemos encontrar provas no óleo de que os seus componentes estão desgastados. Por outro lado, avaliamos se o óleo é capaz de cumprir a sua função lubrificante.

Embora estes sejam dois aspectos diferentes, é importante perceber que eles estão relacionados. A presença de contaminantes no equipamento afecta a eficácia do lubrificante, tal como um lubrificante que não funciona a 100%, pois provoca um aumento do desgaste.

Com tudo isto, obtemos benefícios como, por exemplo
Optimização da quantidade de lubrificante utilizado no equipamento.
Economia nos custos associados, tais como a gestão de resíduos.
Optimização da manutenção industrial, o que evita tempos de paragem inesperados.
Aumento dos lucros através do funcionamento contínuo.
Aumento do respeito pelo ambiente, eliminando o petróleo apenas quando necessário.
Tipos de desgaste e contaminação de lubrificantes
As provas do desgaste do equipamento e da contaminação por óleo lubrificante provêm de uma variedade de fontes.

As mais comuns são:


Abrasivos:


Partículas tais como pó, areia ou partículas de metal que se esfregam contra peças de máquinas.

Adesivos:


O resultado do contacto entre múltiplas superfícies metálicas. Como resultado, as partículas são ejectadas a partir delas.

Cavitação:


Se a pressão do lubrificante cai para um certo nível, formam-se bolhas em colapso e as suas ondas de choque causam desgaste metálico.

Corrosão:


O metal reage quimicamente, geralmente por oxidação, causando a sua decomposição.

Fadiga:


Resultado de uma tensão prolongada em peças de máquinas.

Presença de vapor de água:


Normalmente devido a fugas no sistema de arrefecimento.
Presença de substâncias insolúveis devido a más condições de lubrificação.

Como são analisados os lubrificantes industriais?

Planeamento da acção


Em primeiro lugar, deve ser elaborado um plano de acção:

Determinar a área a ser amostrada.
Frequência da amostragem.
Identificar materiais e equipamento adequados.
Determinar as amostras e o protocolo para o seu envio para o laboratório.
Determinar o procedimento de análise.
Processar os resultados e interpretá-los.
Aceitar a reacção.

Análise de lubrificantes industriaisTécnicas para a análise de óleos lubrificantes.
Os fabricantes têm uma variedade de técnicas analíticas disponíveis para satisfazer as suas necessidades de medição do estado do óleo. Os métodos mais comummente utilizados para detectar a contaminação são os seguintes

Espectrometalografia:


Identifica e mede pequenas quantidades de metais (menos de 10 microns).

Espectrometria de emissões ou ICP:


Permite a quantificação precisa de vários elementos em simultâneo.

Espectrometria de infravermelhos:


Compara amostras de lubrificantes com lubrificantes semelhantes que não foram utilizados para determinar as diferenças entre eles para a detecção de elementos estranhos.

Ferrografia analítica:


Para partículas metálicas de 0,1 a 500 microns.

Contador de partículas:


Um laser mede o número de partículas presentes no óleo.

Além disso, existem técnicas para determinar as propriedades intrínsecas dos lubrificantes, como por exemplo:

Viscosidade:


Uma das propriedades básicas de um lubrificante. A viscosidade pode aumentar devido à degradação e à presença de partículas insolúveis ou pode diminuir devido à diluição por contaminação com outros óleos.

Acidez:


Os óleos são normalmente alcalinos para neutralizar substâncias ácidas geradas pelo funcionamento de equipamentos que os podem atacar e degradar.

Constante dieléctrica:


Mede a capacidade isolante do óleo.

Detergência:


A capacidade de dissolver e remover contaminantes.
No final deste artigo, estará familiarizado com o número e variedade de alternativas disponíveis aos gestores industriais para monitorizar o estado do lubrificante.

Mas não é a única forma de manter o desempenho do equipamento. É complementada por actividades de manutenção preditiva utilizando soluções de inteligência artificial. Estes proporcionam uma protecção avançada contra falhas e erros.

    Related Post

    CONTACTAR
    close slider

      Esta web utiliza cookies propias para su correcto funcionamiento. Contiene enlaces a sitios web de terceros con políticas de privacidad ajenas que podrás aceptar o no cuando accedas a ellos. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de tus datos para estos propósitos. Configurar y más información
      Privacidad